, ,

eBook Gratuito | Como o SLA pode mudar totalmente o desempenho das suas transportadoras


 SLA: sua empresa está fazendo isso certo?

 


O Acordo de Nível de Serviços, também conhecido como SLA (Service Level Agreement) é um contrato que define os níveis de qualidade esperados de um serviço. No caso das contratações de transportes, é ideal para definir todos os parâmetros que devem ser seguidos para que as entregas aconteçam de forma a manter o nível exigido.

Neste eBook, vamos ver de que se trata, pontos importantes a considerar e como os KPIs podem complementar as informações para que as métricas sirvam como base para o controle. Companhias que fazem uso destes recursos tem mais controle sobre sua cadeia de transportes, saiba mais sobre o SLA, baixe nosso eBook.

Lupeon-0015_eBook2_botao_20170504

, , ,

Business Intelligence aplicado à gestão de fretes

O Business Intelligence (BI) vem revolucionando o setor de transportes, oferecendo insights preciosos para a melhoria da performance das empresas de gestão de fretes.

A solução, que consiste em um conjunto de sistemas integrados que permitem coletar, analisar e armazenar uma grande quantidade de dados, traz aos transportadores logísticos a capacidade de compreender cada detalhe dos negócios, desenvolver serviços inovadores e reduzir os custos de frete com base em informações precisas e seguras. Entenda agora mesmo como usar o Business Intelligence na sua empresa!

Transparência nos custos

A dificuldade em determinar os custos reais do frete faz com que as empresas do setor utilizem tabelas predeterminadas, comparem seus preços aos concorrentes e precifiquem seus serviços com base na estratégia de tentativa e erro. Ao final do mês, verificam se houve lucro ou prejuízo, fazem os ajustes necessários e seguem com a mesma fórmula.

Com o Business Intelligence o cenário muda completamente. Taxas, impostos, dispositivos de segurança para a carga, folha de pagamento, manutenção da frota, todos os custos envolvidos no fornecimento dos serviços podem ser analisados em questão de minutos para que você compreenda item por item e componha seu preço final de forma que a empresa venha a ter um lucro saudável.

Identificação de falhas na logística

Uma simples mudança de rota pode economizar recursos para a empresa, assim como a mudança da disposição dos produtos armazenados afeta na produtividade da equipe de carregamento. Detalhes que são difíceis de perceber sem o auxílio de uma tecnologia que confronte dados quantitativos e qualitativos, resultando em informações claras.

Tais falhas podem ser corrigidas se você conseguir analisar a performance global da sua empresa e determinar com precisão onde estão os gaps. É aqui que o BI entra. Com ele, você esmiúça cada processo de forma que seja possível identificar a raiz de qualquer problema, desenvolvendo planos de ação para eliminar as falhas e potencializar os resultados.

Em exemplo prático é com relação aos prazos de entrega. Se você identifica que uma rota sempre gera atrasos, é preciso saber os motivos. Trânsito lento, estradas não duplicadas e rodovias em mau-estado podem ser os gatilhos para esse problema. Neste caso, o BI pode auxiliar confrontando dados estatísticos sobre as condições das estradas, datas em que as entregas foram realizadas, condições climáticas e até quem era o motorista.

shutterstock_155236793

Qualidade do atendimento

Caso você trabalhe com um SLA (Acordo de Nível de Serviço), pode avaliar se a sua equipe está cumprindo com as melhores práticas estipuladas no acordo. Solicite o feedback dos clientes, confronte os dados com as metas e indicadores estratégicos da empresa, avalie as condições de trabalho e determine se vocês estão cumprindo com o prometido.

Os dados podem ser visualizados em dashboards de controle intuitivos e fáceis de interpretar, com gráficos que apresentam as informações de modo conclusivo, ou seja, nada de tentar desvendar o que há por trás dos números. O próprio BI faz esse trabalho, acelerando a tomada de decisão.

Detecção de riscos e oportunidades

Com o uso do BI, você também pode acompanhar mudanças do mercado, identificar padrões de comportamento dos clientes, verificar exceções em processos, analisar impactos econômicos de medidas governamentais e assim detectar riscos ou oportunidades para os negócios.

Um risco seria a mudança de uma legislação que venha a acarretar mais custos e uma oportunidade seria a expansão da empresa para uma região onde ela não atua, mas em que a demanda por serviços de transporte logístico seja atrativa para a sua empresa.

Neste caso também podemos pensar no cruzamento de modais, visando agilizar as entregas ou reduzir os custos de transporte. Uma análise de investimento que pode ser realizada rapidamente com o Business Intelligence.

Além da tecnologia, você também precisa dos parceiros certos para ter sucesso na gestão de fretes. Saiba o que a Lupeon pode fazer por você!

Lupeon-0007.ebook-BannerChamada_20161117

, , , ,

Como o Supply Chain Finance pode contribuir no planejamento financeiro

O conceito de Supply Chain ou Cadeia de Abastecimento já é bastante conhecido no segmento logístico. O que ainda é pouco explorado no Brasil é o Supply Chain Finance, uma forma inovadora de otimizar recursos utilizando-se de toda a cadeia de abastecimento da empresa.

A ideia já está bastante difundida no mundo e permite uma significativa redução do custo operacional das organizações. Confira agora mesmo como aproveitar essa estratégia no seu negócio!

O que é Supply Chain Finance

Em português, o termo significa Financiamento da Cadeia de Abastecimento, mas não estamos falando de empréstimos ou financiamentos bancários. O sistema funciona da seguinte maneira: o comprador antecipa pagamentos ao fornecedor, obtendo créditos a serem utilizados ao longo do tempo com a aquisição de insumos e mercadorias ou ainda, serviços.

Com a antecipação dos recebíveis, o fornecedor tem condições de impulsionar os negócios, obtendo capital de giro imediato para suas operações, sem precisar pagar juros e taxas a bancos ou outras instituições financeiras.

O modelo de negócios é baseado no fomento mercantil, entretanto, as negociações acontecem dentro da cadeia de abastecimento da empresa, mediante a intermediação de instituições financeiras ou ainda plataformas on-line que oferecem este tipo de serviço.

As transações são altamente seguras e fortalecem a cadeia produtiva da empresa, assegurando saúde financeira para todos os envolvidos.

shutterstock_538755886

Quais as vantagens do Supply Chain Finance

O grande intuito de manter um sistema autônomo de financiamento da cadeia de abastecimento é integrar as empresas envolvidas de modo que elas possam manter a eficiência financeira sem recorrer a agentes bancários, o que gera uma grande perda de recursos com o pagamento de taxas e juros. Todos os envolvidos têm ganhos com este modelo de financiamento:

Planejamento financeiro

O comprador, que antecipa recebíveis, tem garantia de descontos por compras à vista, reduzindo o nível de endividamento da empresa. Ao mesmo tempo, o fornecedor, que recebe os valores antecipados, gera capital de giro sem recorrer a empréstimos e financiamentos.

Esse controle interno favorece o planejamento financeiro de ambas empresas, que podem, a longo prazo, reduzir os custos operacionais e obter maior eficiência no controle de gastos.

Redução da necessidade de capital de giro

Estoques parados comprometem o capital de giro da empresa, que mobiliza uma quantidade enorme de recursos – físicos e financeiros – para manter a manutenção do armazém.

Com a implementação do Supply Chain Finance, o comprador não precisa receber todos os produtos comprados de imediato, ele fica com um crédito junto ao fornecedor, que pode ser utilizado sempre quando necessário.

O ganho está em manter os estoques enxutos, reduzindo o uso do capital de giro e mantendo o fluxo de caixa fluido para outras despesas imediatas da empresa.

Redução do nível de endividamento das empresas

Como a cadeia de abastecimento se autofinancia mediante operações de crédito e débito entre os integrantes, o nível de endividamento das empresas é reduzido, o que se reflete em maior sustentabilidade financeira para todos.

Diante disso, o segmento se fortalece, ganha competitividade no mercado e pode escalar os negócios pensando sempre em gerar valor para toda a cadeia produtiva.

Como você pode imaginar, o Supply Chain Finance pode ser utilizado em qualquer segmento de negócio, desde o transporte até as mais altas tecnologias. Já pensou em implementar um sistema desses com seus parceiros de negócio?

Lupeon-0007.ebook-BannerChamada_20161117

,

Como a Lupeon pode ajudar a sua gestão de fretes?

 

Um gerenciamento eficiente no que se refere ao transporte de mercadorias é uma etapa fundamental para garantir a satisfação dos clientes. E como sabemos, a gestão da logística e das obrigações fiscais no Brasil conformam um desafio à parte. Neste cenário, é fundamental contar com ferramentas e conhecimento que facilitem o planejamento, administração, inovação e tomada de decisões estratégicas.

Por isso, a gestão do frete trata-se de um setor estratégico para qualquer empresa que opere com o transporte de mercadorias, seja de forma terceirizada ou contando com infraestrutura interna. O transporte dentro de um grande embarcador está entre o primeiro e o terceiro maior gasto de uma empresa. A otimização desse processo está totalmente conectada à automação e à melhoria da produtividade. Nós aqui na Lupeon dedicamos todos os esforços necessários para que sua gestão de fretes funcione perfeitamente.

Desafios

A quantidade de informações criadas em uma rotina de transportes e a necessidade de controlar os processos e dados gerados é impressionante. Mesmo assim, é fundamental gerenciar todos os aspectos, algo bastante difícil de realizar de forma manual. Uma plataforma de gestão de fretes é capaz de automatizar todos os processos e manter tudo sob controle.

Além disso, o controle manual dá margem para que os erros humanos se multipliquem. Com isso, a produtividade se vê afetada diretamente e dificulta-se a tomada de decisões em tempo hábil e a companhia acaba perdendo competitividade em relação à concorrência.

shutterstock_594669830

Redução de custos com frete

Há empresas que acreditam que investir em uma solução para a gestão de fretes é um gasto desnecessário. Na verdade, contar com ferramentas eficientes é um investimento que deve ser pensado em relação ao custo/benefício que proporciona. As soluções da Lupeon permitem que a empresa reduza custos e ganhe em gerenciamento ao ter, à disposição, possibilidades como:

  • Conciliação de Faturas por cada tarifa das tabelas de frete negociadas
  • Indicadores em tempo real
  • Pré-faturamento de transportadores
  • Acesso web à remessas e inconsistências; transportador tem acesso só às suas viagens, vendo as inconsistências com memória de cálculo
  • Consultoria com técnicas de benchmarking, para melhores práticas e negociações
  • Identificação de duplicidades, fraudes, erros e falhas afins ao processo de gestão de transportes

Controle Eficiente de Processos

Como dissemos antes, controlar toda a papelada envolvida na gestão de fretes não é uma tarefa simples. Contar com uma plataforma que automatize os controles, entradas e saídas de documentos permite que as rotinas sejam acompanhadas com maior grau de precisão, do princípio ao fim do processo.

Muitas empresas têm a necessidade de fazer a guarda dos comprovantes de entrega, por exemplo. A Lupeon, com equipe própria, gerencia esses comprovantes e disponibiliza-os digitalmente no sistema web, anexados à nota fiscal e CTe. Um controle eficiente e comprovado por todos.

Também é fato que os gastos relacionados ao controle dos processos logísticos absorvem uma parte significativa do tempo e dos recursos financeiros. Neste caso, contar com um sistema torna-se mais importante ainda. A gestão ocorre de forma fluída e os resultados são mais ágeis, precisos e confiáveis. A Lupeon brinda soluções como:

  • Cadastro e manutenção de tabelas de transportes
  • Gestão ativa de divergências
  • Fluxo de caixa
  • KPIs para controle de áreas operacionais e financeiras
  • Cotações com outras transportadoras – base atual conta com mais de 250
  • Recolhimento e digitalização de comprovantes de entrega
  • Criação de arquivos fiscais diretamente para o ERP da sua empresa
  • Validações Fiscais de CTEs para crédito fiscal

E a lista com benefícios segue. Entre outras coisas, o controle gerencial se vê beneficiado pela transparência das operações e ocorre uma melhora significativa da comunicação entre todas as partes envolvidas na cadeia. Como consequência, o fluxo de caixa e as entregas são mais previsíveis, o que dá mais margem de manobra para os gestores que vêm os custos com frete diminuir.

Como você pode constatar, uma gestão de frete eficiente não passa somente pela estruturação do setor logístico. O investimento em um especialista de gestão de fretes não se trata de um luxo, e sim de uma necessidade, principalmente quando a meta é melhorar o rendimento global da companhia e a busca por melhores resultados.

Lupeon-0011.ebook-BannerChamada_20170216

,

Como otimizar as finanças com crédito fiscal de ICMS, PIS e Cofins

O sistema tributário brasileiro é um dos mais complexos do mundo, o que gera muitas dúvidas no momento de recolher os valores e fazer os pagamentos devidos ao FISCO. Um dos tributos que costumeiramente traz dúvidas é o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias), pois ele tem tanto valores a pagar quanto a receber, dificultando o controle da empresa.

Somado ao ICMS, temos outros dois tributos que também devem ser vistos com atenção na área de transportes: o PIS e o COFINS, pois também geram créditos fiscais. Que tal entender como você pode otimizar suas finanças com crédito fiscal de ICMS, PIS e COFINS? Siga em frente!

O ICMS

Toda vez que uma mercadoria é vendida, há incidência de ICMS sobre ela. Quem vende paga o valor do ICMS e quem compra recupera este valor, desde que seja outra empresa, não o consumidor final.

Este imposto é diferenciado para cada estado, o que complica o controle das empresas de transporte no momento de fazer o cálculo correto de quanto se deve pagar ou receber, o que pode vir a gerar multas, se feito da maneira errada.

Para obter crédito de ICMS, o transportador deve ter feito o recolhimento do imposto anteriormente, gerando um crédito para você. E como saber se ele fez isso? Conferindo as CTes uma a uma, a fim de evitar que estes recursos sejam desperdiçados por falta de controle.

Frequentemente, as empresas deixam de obter crédito de ICMS por falta de conhecimento, portanto, seguem algumas das situações em que você pode recuperar valores significativos para a manutenção do seu negócio:

shutterstock_542738674

Fretes CIF: o valor incidente de ICMS sobre o frete CIF, quando decorrido de venda de mercadorias, pode ser recuperado pela empresa;

Aquisição de bens imobilizados: para saber se você tem direito a crédito de ICMS por aquisição de bens imobilizados, basta conciliar os códigos de entrada com as contas contábeis.

Aquisição de combustível: transportadoras também podem ter o ICMS recuperado ao adquirir combustível, mediante a apresentação de nota fiscal pela compra.

Crédito de PIS e Cofins

No que tange ao PIS e Cofins, só pode haver crédito nas operações de venda, ou seja, a transportadora que oferece frete pode ter valores recuperados de PIS e Cofins mediante comprovação das operações, assim como o vendedor que se utiliza dos serviços de frete da transportadora, desde que este custo seja arcado pelo remetente das mercadorias.

Para que seja possível fazer a recuperação de crédito de ICMS, PIS e Cofins, a empresa precisa ter a escrituração fiscal em dia, o que exige um trabalho cuidadoso na organização e controle dos documentos que comprovam todas as operações e o direito ao crédito fiscal.

É por essa razão que boa parte das empresas que se utilizam de serviços logísticos preferem contar com sistemas de gestão que automatizem e facilitem a gestão fiscal, fazendo a conferência dos CTes automaticamente, assim como a escrituração fiscal, a fim de prestar contas ao Fisco com maior segurança e rapidez.

Você também quer esta facilidade para sua empresa? Entre em contato conosco, temos a solução que você precisa!

Lupeon-0011.ebook-BannerChamada_20170216

, , ,

Possibilidades da entrada do Uber para o setor de Transporte de Cargas

 

As novas tecnologias seguem seu ritmo expansivo e, com relação ao mercado de cargas rodoviárias, não poderia ser diferente. Se você já ouviu falar do Uber, um aplicativo que oferece o serviço de transporte de passageiros nas cidades, saiba que temos uma empresa similar no setor de fretes.

O fundador da empresa, o Mexicano Oscar Salazar, decidiu ampliar o alcance da chamada economia compartilhada (princípio que defende consumir um serviço sem que seja necessário investir na infraestrutura necessária) e criou uma ferramenta orientada ao transporte de mercadorias. Com isso, aproveita a disponibilidade de caminhões para realizar fretes sem que seja necessário contratar diretamente uma transportadora.

Dessa forma, nasceu a ‘Uber dos Caminhões’. Primeiramente, no Estados Unidos, mas a plataforma já se encontra em funcionamento no Brasil. A CargoX conecta clientes e caminhoneiros autônomos e promete prestar um serviço dinâmico, de qualidade e que pode custar até 30% a menos em relação aos fretes tradicionais.

O funcionamento é semelhante ao da plataforma Uber, que trabalha com um cadastro de prestadores de serviços e os localiza através de telefonia celular. Quando surge uma demanda, o motorista que se encontra mais perto do pedido é acionado e procede-se com o fechamento do pedido. Pra dar uma ideia do volume de veículos, já são mais de 100 mil cadastrados.

Quem comemorou a possibilidade foi o Setor Agrícola. De acordo com Hélio Sirimarco, vice-presidente da SNA (Sociedade Nacional de Agricultura), “os ganhos do produtor se veem beneficiados por todas as iniciativas que reduzem o custo relacionado ao transporte das mercadorias”.

shutterstock_508483729

Processo Seletivo

Os motoristas que se registram na plataforma CargoX passam por um processo de avaliação e são selecionados e treinados antes de realizar qualquer frete. Entre outros aspectos, são levados em conta fatores como incidentes (furtos, extravios, acidentes) e as condições do veículo usado para os transportes. Para se cadastrar, seja como operador de fretes ou caminhoneiro, basta completar o formulário disponível nesta página.

Maximização de recursos

No sentido de potencializar a capacidade operacional dos veículos disponíveis, a CargoX verifica o caminhoneiro sem carga que esteja nas imediações do local de partida da sua carga, muitas vezes voltando de alguma outra rota, com uma oferta até 30% menor do que a de uma transportadora.

Fazendo referência ao transporte de passageiros, seria como um táxi que foi levar um passageiro do centro à zona sul, e é chamado através de um aplicativo por um cliente da zona sul que tem destino ao centro. Ele volta do seu ponto de partida inicial, sendo remunerado por isso.

Benefícios

A Uber dos Transportes Rodoviários garante até 50% do lucro líquido proporcionado pela carteira dos agentes contratantes e se encarrega de todas as operações. Além disso, tem seu funcionamento respaldado por investidores nacionais e internacionais, na ordem de 50 milhões de Reais.

Outras vantagens são os programas de capacitação, destinados a otimizar o rendimento da carteira de clientes e o atendimento pós venda, com pessoal qualificado e dedicado a brindar o melhor serviço aos contratantes. Nas palavras da CargoX: “Não atendemos bem, nós encantamos nossos clientes”.

Vivemos na era da revolução dos serviços. Praticamente todos os segmentos têm-se beneficiado por novas formas de atendimento, canais de contratação e modalidades de funcionamento. Se os novos modelos propostos serão um sucesso, ainda é uma incógnita. Mesmo assim, a constante renovação das possibilidades costuma impulsionar a otimização de recursos e incentivar o abandono de práticas obsoletas.

Lupeon-0009.Blog-03-BannerChamada_20170120

, ,

Porque terceirizar a gestão do frete permite um melhor controle?

A automação do controle e gestão de fretes contribui para a manutenção do controle dos processos e dados relacionados ao transporte de mercadorias. Isso acontece porque o seguimento das atividades dá muitas margens para erros e a produtividade acaba sendo prejudicada.

Além disso, devido à competitividade dos mercados, é necessário contar com ferramentas que permitam uma rápida tomada de decisões para se manter sempre à frente da concorrência. Uma gestão correta proporciona informações em tempo real e melhora a comunicação entre os atores envolvidos.

Benefícios da terceirização da gestão do frete:

#01 Padronização e organização das informações

Os sistemas são desenvolvidos para atender a necessidades específicas, e quando o assunto é gestão do transporte de mercadorias, encontramos etapas como o mapeamento de processos, adoção de medidas corretivas, padronização de atividades, formalizações legais e identificação de pontos frágeis que requerem manutenção e correção imediatas.

Controles desse tipo são importantes para que se garanta a regularidade da prestação dos serviços e atividades, assim como têm como objetivo controlar todos os dados envolvidos. Com tudo organizado, fica mais fácil analisar, acompanhar indicadores de desempenho e tomar as decisões corretas em cada caso em particular.

Ao considerar essas necessidades, podemos dizer que otimizar e padronizar as informações, assim como organizar o fluxo de dados, permite contar com benefícios administrativos diretos. Sua empresa pode contar, por exemplo, com sistemas de gestão como o da Lupeon para automatizar diversos controles fiscais.

 shutterstock_144470392


#02 Informações Centralizadas

A adoção de um sistema também permite que todos os dados envolvidos na gestão do frente possam ser acompanhados em um só lugar. Seja o conciliamento de faturas, emissão de CTe, geração de arquivos fiscais ou mesmo a identificação de cobranças divergentes, de erros e duplicidades.

Ou seja, os processos ficam mais ágeis. Compartilhar e verificar informações permite que se otimize a comunicação entre os responsáveis envolvidos nas tarefas. Todas as rotinas ficam concentradas em um só lugar, acessíveis a todos os profissionais.

#03 Processos sob controle automatizado

Quando a gestão do frete é feita por ferramentas específicas para isso, além de eliminar a necessidade de controles manuais, o cliente tem à disposição uma plataforma que é continuamente renovada e pensada especificamente para as necessidades do setor.

Dessa forma, atividades como conciliação junto a fornecedores, validação fiscal e guarda de XMLs, cadastro e manutenção de tabelas de fretes e até mesmo relatórios gerenciais e estratégicos podem ser criados e acompanhados via software. Quando a conferência dos fretes e acompanhamento são realizados por uma plataforma pensada para isso, a possibilidade de erros diminui drasticamente.

Até mesmo a avaliação dos custos do frete é feito automaticamente, todos os cadastros de valores cobrados pelas transportadoras podem ser controlados, o que permite resultados mais eficientes e, consequentemente, derivam e um melhor controle da gestão financeira do transporte de mercadorias.

#04 Melhor controle, maior competitividade

Quando contamos com uma visão global dos processos de transporte, criamos equipes mais ágeis e produtivas. Consequentemente, os tomadores de decisão contam com todas as informações necessárias para que possam adaptar as estratégias de atendimento e a empresa se destaque e saia na frente da concorrência.

Inclusive em processos de auditoria, ter tudo sob controle e devidamente registrado facilita – e muito – o trabalho de análise dos procedimentos internos. O controle do gerenciamento do frete não passa somente por contar com processos estruturados. Investir em um sistema de gestão que automatize processos e mantenha tudo sob controle permite que as companhias otimizem suas operações e sigam seu rumo a isonomia operativa e fiscal.

 

lupeon-0009-blog-02-bannerchamada_20170102

, , ,

O que mudou com a Lei do Caminhoneiro (Lei 13.103/2015)?

A rotina de trabalho dos caminhoneiros não é nada fácil. Enfrentar horas a fio na condução de um veículo que exige destreza e segurança, sem falar na responsabilidade sobre a carga que está levando, costuma ser um trabalho árduo.

Em virtude disso, as discussões sobre melhorias na qualidade de vida no trabalho para estes profissionais tem sido alvo de debates há vários anos, o que culminou na Lei 13.103/2015, também chamada de Lei do Caminhoneiro. As alterações que ela trouxe, você vai saber agora mesmo:

Controle de jornada

A jornada do caminhoneiro sempre foi um tema delicado. Muitos dirigiam por 12, 16, 20 horas seguidas para cumprir com cronogramas apertados de entregas. O sono e o cansaço eram combatidos com muito café e, muitas vezes, drogas.

Para aliviar a pressão sofrida, a nova Lei do Caminhoneiro determina que a jornada destes profissionais é de 8 horas diárias, podendo ser estendida por mais 4 horas em situações excepcionais. No entanto, o que não fica claro é quanto ao início e término da jornada de trabalho.

Desconsiderando as 8 horas ininterruptas de descanso, o motorista tem 16 horas para distribuir as movimentações da carga, o que pode significar jornadas em horários noturnos, os quais demandam o pagamento de adicional noturno por parte do empregador.

Além disso, o controle da jornada passa a ser responsabilidade tanto da empresa contratante quanto do motorista: diários de bordo e rastreamento do veículo permitem saber se as regras estão sendo cumpridas.

shutterstock_490653232

Descanso

Como forma de facilitar o deslocamento e, ao mesmo tempo, garantir um bom descanso aos caminhoneiros, a Lei 13.103/2015 também alterou dispositivos da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho para que os motoristas possam descansar 8 horas consecutivas entre uma jornada e outra e mais 3 horas distribuídas ao longo do dia, coincidindo ou não com os 30 minutos de descanso a cada 5h30 de direção.

O fracionamento do descanso pode ser visto sob dois aspectos: um positivo, pois o caminhoneiro pode decidir quando parar; e outro negativo, pois o trabalhador pode ficar à mercê do comando do empregador para efetuar tal descanso. Tudo dependerá da relação entre contratante e contratado.

Tempo de espera

Este é o artigo mais contraditório da Lei 13.103/2015, pois afirma que o tempo de espera não configurará jornada de trabalho e só poderá ser considerado tempo de descanso a partir de 2 horas de espera.

O texto da Lei diz ainda que o caminhoneiro poderá fazer movimentações necessárias do veículo sem cômputo de tais ações como jornada de trabalho. No entanto, terá assegurado o descanso de 8 horas ininterruptas mesmo com o tempo de espera superando as 2 horas. E vai além: só será considerado descanso se houver condições adequadas de descanso para o trabalhador. Em outras palavras, o tempo de espera dentro do veículo, em uma determinada estrada sem recursos como hotéis, restaurantes ou paradas, não será considerado descanso, tampouco, jornada de trabalho.

Saúde e segurança

Os motoristas contratados terão direito a um seguro obrigatório no valor de 10 vezes o piso salarial da categoria, caso venha a ocorrer o falecimento do caminhoneiro por qualquer motivo. Além disso, visando garantir a saúde e segurança dos profissionais, os exames toxicológicos ficam mais rigorosos.

Os motoristas contratados passarão por exames periódicos, a cada 90 dias, e os autônomos serão submetidos a exames toxicológicos no momento da contratação e da finalização do trabalho.

Algumas mudanças foram positivas, enquanto outras suscitam ainda mais dúvidas quanto à atuação do caminhoneiro. E você, o que pensa a respeito destas alterações? Deixe seu comentário!

 

lupeon-0009-blog-01-bannerchamada_20170102

, , ,

Saiba mais sobre a Gestão da Cadeia de Suprimentos

A Gestão da Cadeia de Suprimentos é um conjunto de técnicas aplicadas que se dedicam a melhorar os procedimentos de gestão de suprimentos e de integração de todas as etapas de uma cadeia logística. Entre eles, podemos destacar o armazenamento, os gastos, o frete em si e etc. De uma maneira geral, todas as partes estão relacionadas de forma direta ou indireta com o processamento das solicitações de um cliente em particular.

Cadeia de Fornecimento

Ou seja, não se trata somente das relações entre fornecedor e a empresa de transportes, inclui toda a infra envolvida até que o produto chegue no consumidor final. Quando a gestão da cadeia de suprimentos é administrada de forma adequada, o funcionamento ocorre como o esperado e o cliente recebe seu produto no lugar, condições e momento corretos. Fundamentalmente, a meta é a diminuição dos custos no decorrer do processo, sempre com vista na demanda do consumidor final.

Nomear as necessidades é a parte mais fácil, o problema mesmo vem na hora de aplicar os conceitos e controlar todos os processos envolvidos. E como nem sempre é uma única empresa que se encarrega do transporte – como no caso das terceirizações -, algumas etapas podem ter o controle dificultado pela distância dos controles do contratante. Além disso, as exigências dos consumidores podem mudar de uma hora para outra, o que deriva na necessidade de um planejamento dinâmico e capaz de se adaptar rapidamente.

Itinerário e meios de transporte

A forma como uma transportadora decide funcionar tem relação direta com os gastos envolvidos no processo e na satisfação do cliente. A comercialização dos seus serviços pode efetivar-se de diversas formas, diretamente com o consumidor final, com outras empresas ou fornecedores. De qualquer maneira, sempre que o serviço de frete for contratado, a maior preocupação está relacionada ao meio de transporte ideal que possa satisfazer as exigências e às etapas intrínsecas.

Neste momento, antes de diretamente escolher fazer o transporte com os meios diretamente disponíveis, vale a pena expandir as possibilidades e verificar se não há outras formas de brindar o mesmo serviço de forma mais eficiente. Seja terceirizando parte do processo ou apostando na inteligência em fretes – como o transporte marítimo, mais caro, porém mais econômico -, tudo depende das condições e demandas do consumidor.

Também é importante negociar os valores envolvidos na formação do preço com antecipação e conversar com o cliente – ou com fornecedores – sobre as quantidades a transportar, sempre buscando o equilíbrio e que nenhum lado acumule estoques em demasia ou deficientes, dessa forma se acelera a fabricação e o processo fica mais fluído.

shutterstock_372480757

Preparo Logístico

Especialmente no caso das transportadoras, o alinhamento do setor logístico cumpre um papel fundamental. E basta que uma etapa deixe de funcionar corretamente para que a cadeia, como um todo, seja prejudicada. Neste sentido, a criação de um plano pode contribuir para que todas as etapas funcionem como o esperado. Aliás, antecipar dificuldades também ajuda a contornar obstáculos rapidamente e manter os prazos e a qualidade do serviço intactos.

De uma maneira geral, simplificar os processos é um bom caminho para a eficiência. As ações podem ser aplicadas em etapas tais como no processo de entrada, quando os produtos são entregues para transporte; na logística interna, quando a mercadoria já se encontra sob seu poder e circula dentro do âmbito da transportadora; e, por fim, na logística externa, no efetivo transporte da mercadoria e cuidados necessários para tanto (rastreamento, planejamento de rotas, contratação de seguros, etc).

De fato, há dezenas de empresas que oferecem um serviço semelhante ao seu. O mais importante é manter a atenção para todos os fatores envolvidos na cadeia logística e, sempre que possível, planejar cada etapa e antecipar soluções para eventuais problemas. É fundamental estabelecer relações com parceiros e ter alternativas ágeis para a manutenção das necessidades.

 

lupeon-0008-bannerchamada_20161214-01

,

Práticas de Melhoria em Eficiência: aplique ao seu processo e evolua

Existe um sentido comum que acredita que investir em eficiência é um gasto desnecessário. Principalmente em momentos de crise, como o que atravessamos neste momento, algumas companhias decidem contrair as despesas e uma das primeiras áreas afetadas são a otimização dos serviços e melhorias nas operações.

Entretanto, é exatamente em contextos desfavoráveis que a necessidade de se mostrar mais competitivo ganha peso. As boas práticas, tais como a capacitação de pessoal, realização de auditorias e investimentos em automação são capazes de garantir uma melhora sensível na qualidade dos serviços e têm impacto direto no funcionamento dos negócios.

No setor de transportes não é diferente. Neste artigo, vamos falar um pouco sobre as possibilidades de melhoria no funcionamento da sua organização e como desenvolver uma estrutura rentável. Tudo pautado em práticas benéficas e nas condições que o mercado enfrenta atualmente.

Investir em mão de obra especializada e capacitação de pessoal

Como em outras áreas, o setor do transporte é sensivelmente afetado pela participação dos profissionais envolvidos nas operações. Ainda que a transportadora conte com toda a infraestrutura necessária e gerencie seus processos através de softwares de ponta, é fundamental que toda a cadeia – funcionários, técnicas e sistemas – esteja equilibrada para que as atribuições sejam corretamente executadas. Basta que um dos participantes apresente lapsos de conhecimento para que surjam riscos no processo logístico e administrativo.

Por isso, é importante contar com pessoal qualificado e que tenha conhecimento de todas as normas e procedimentos envolvidos nas operações. Dessa forma, o funcionamento, respaldado por processos de qualidade e contando com o apoio de uma consultoria especializada, tem mais condições de criar o terreno onde as atividades serão desenvolvidas. E não estamos falando somente da base da pirâmide hierárquica, os gerentes – principalmente os gestores – precisam ter conhecimentos sobre metodologias de qualidade e de práticas eficientes em transporte.

shutterstock_298036697-1
Inspeções e auditorias permanentes

Investir em metodologias eficientes e na reinvenção de processos também pode – e deve – ser aplicado na forma como a transportadora é gerenciadas, tal como introduzimos no ponto anterior. Neste sentido, aplicar metodologias com o objetivo de melhorar os níveis de conhecimento sobre os procedimentos internos é uma excelente alternativa para desenvolver os suportes necessários para um negócio funcional.

Auditorias realizadas por empresas terceirizadas e que, inclusive, sejam capazes de brindar registros de conformidade de acordo com a ISO 9001 ou 14001 são as mais indicadas. A partir dos relatórios, definem-se os pontos a melhorar e os erros a corrigir ficam mais claros. Entre os processos que podem ser auditados, destacamos: Inventário, estoque, armazenagem, compras, controle da frota, custos logísticos, fretes, transporte e distribuição.

Inovação e automação como princípio

Ser mais eficiente requer a melhoria de todos os processos da cadeia logística. Seja para diminuir os prazos, para rastrear os deslocamentos ou para ter um fluxo mais ágil de informações, é através de investimentos em inovação e automação que uma transportadora pode melhorar seus métodos e apresentar uma gestão mais eficiente. Os esforços devem ser permanentes e sempre estar orientados a resultados.

Principalmente no setor de cargas, este tipo de aprimoramento pode ser desenvolvido através do uso de tecnologias que possam ser aplicadas às necessidades específicas deste mercado. Entre elas, destacam-se soluções como WMS-Sistemas de Gerenciamento de Armazéns, TMS-Sistemas de Gerenciamento de Transportes, Soluções de Rastreamento por Satélite, de Roteirização de Entregas, Aplicativos Mobile e etc.

Ignorar estas necessidades é o primeiro passo no sentido contrário ao do sucesso e da inteligência em fretes. As boas práticas de upgrade em eficiência são fundamentais para o correto funcionamento de um negócio, principalmente no setor de transportes.

 

lupeon-0008-blog-04-bannerchamada_20161206_01